quarta-feira, 13 de julho de 2016

Microconto - [72]

Conheci Amanda já era tarde.
Meus olhos piscavam em câmera lenta de tanto sono.
Imediatamente a vontade de dormir passou e a lentidão da vista cresceu.
Consegui reparar os lindos trejeitos dela.
As quatro últimas letras do seu nome explicavam muita coisa: a velocidade da vida pede um olhar mais "anda" e menos "corra".

quinta-feira, 12 de maio de 2016

Microconto - [71]

Quando dorme, esconde os lindos olhos.
Gostaria que tivesse insônia.
Egoísta, admito.
Mas é preciso que durma.
Só assim posso dar bom dia.
Queria que existissem pálpebras transparentes.
Impossível?
Não mais do que a transparência da confissão de egoísmo.

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Problemas para dormir

Sônia sempre chegava de manhã reclamando de muito sono.
Eu também.
O mais estranho é que ela saía cedo do escritório todos os dias.
Eu não.
Mas, contraditoriamente, quando ela passava e dizia “bom dia”, todos subitamente despertavam.
Hoje saímos no mesmo horário e ofereci uma carona até a sua casa.
Fui convidado a entrar e tomar um vinho.
Deitamos juntos, mas não conseguíamos dormir.
Então, descobri o motivo do cansaço matinal: seus cabelos dourados lembram o Sol.
E o Sol nos lembra da hora de acordar.
Puxei seu corpo para perto do meu e projetei minha sombra nele.
Fui seu eclipse “sonar”.
Ela, minha eterna insônia.

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Microconto - [70]

Desmarcou muitos encontros.
Quando lhe foi conveniente, aceitou o convite para ir jantar.
Atrasado, chegou ao restaurante com uma pergunta cínica:
"- Estava com saudade?".
Ela levantou da cadeira e, antes de ir embora, respondeu com um sorriso sincero:
"- De mim.".

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Poesia - [01]

Nós.
Cegos
Como
O amor; indesatáveis.
Como
Cegos
Nós.

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Microconto - [69]

Igual a qualquer criança de três anos,
Betina odeia peixe.
Igual a qualquer criança de três anos,
Betina corre para o colo do pai
quando o pescador volta do trabalho.

terça-feira, 9 de setembro de 2014

Microconto - [68]

Wágner trabalha há 45 anos como porteiro no mesmo prédio.
Faz fofoca de tudo que acontece na rua,
mas nunca reparou que,
por causa da cabine revestida de vidro fumê,
a recíproca da sua importância era ignorada pelos passantes.